O comovente relato de quem necessita de um Transplante de Medula Óssea para viver

Você sabe como funciona o Transplante de Medula Óssea e quando esse tratamento é recomendado ?

Se você está lendo esse Post, provavelmente , você ou alguém que você realmente se importa, já teve que enfrentar um diagnóstico de Câncer.

E teve ou está tendo que pagar o preço de todo o tratamento, que a gente sabe que não é nada fácil, pra ficar curado.

Acontece que existem mais de 100 tipos de cânceres e em alguns casos, como leucemia e linfoma, por exemplo, nem sempre a quimioterapia é suficiente.

E se você reclama ou acha que fazer quimioterapia é a pior coisa do mundo, o que você me diz à respeito de pessoas que querem fazer quimio e não podem porque a sua cura não está somente nesse tratamento?

Elas também necessitam encontrar um doador de Medula óssea que seja compatível para terem a chance de ficar curadas!

Esse é o caso da  Jaysianne Vasconcelos, mais conhecida como  Jaysi, que está precisando fazer um transplante.  Foi encontrado um doador compatível, mas ele simplesmente sumiu!

transplante de medula óssea

Ela agora vai compartilhar sua História com a gente:

Eu em Dezembro de 2009 comecei com alguns sintomas estranhos : Dor de cabeça muito forte e  vomitava por várias vezes.

Dei entrada na emergência de um hospital na cidade do Recife e eles não diagnosticaram nada.

Por última vez, eles diagnosticaram que estava com um tipo de estresse no trabalho, então comecei ser tratada no psiquiatra tomando remédios ansiolíticos.

Ainda fiz esse tratamento por seis meses, mas  larguei porque sentia que não tinha problemas na área psíquica.

Em junho de 2010 começou a sair uns gânglios no pescoço, parecia que os dentes queriam começaram a sair,  fiz a retirada dos dentes e nada dos gânglios sumirem.

Uma amiga me deu uma dica para ir ao médico de tireoide.Então marquei a consulta com o médico de cabeça e pescoço.
E quando cheguei lá para conversar, ela já começou a perceber que tinha algo estranho.

Foi somente aí que ele pediu uma bateria de exames e, exatamente no mês de fevereiro de 2011 que recebi a notícia mais triste da minha vida :

Estava acometida pelo  câncer chamado Linfoma de Hodking.
Aí começou minha luta, entender o que é o Câncer …
Não foi fácil receber essa notícia, mas precisava reagir. Foi com essa força, que tirei não sei de onde, que lutei Durante todo o ano de 2011.

Fazia quimioterapias a cada 15 dias e radioterapia. Com muito esforço e luta que finalizei o processo!

transplante de medula óssea

Fiz novos exames em março de 2012 e recebi a notícia tão esperada  que eu estava  em remissão.Vida Nova!
Comecei fazer tudo que tinha vontade, voltei fazer Ballet e sempre fazendo o check-up nos meses que era pra fazer.

No último preventivo, em outubro de 2013, eu tive a notícia que mudaria toda minha vida novamente:

O câncer tinha voltado no coração!

Começou toda minha batalha,  foi um grande choque e  não sabia o que fazer novamente. Fiquei mal, sem chão.

Mas depois de um tempo levantei e fui lutar pela minha vida.

transplante de medula óssea

Fiz uma cirurgia cardíaca para biópsia porque os médicos não acreditavam  que o linfoma de hodking fizesse isso.
Então, só em fevereiro de 2014, consegui fazer a cirurgia, pois corria risco de morte.
Saindo o resultado da biópsia,  foi confirmado que era o linfoma de hodking.

transplante de medula óssea

Durante todo o ano de 2014, tive vários protocolos trocados, porque não estavam havendo sucesso com o tratamento.

Mas, consegui enfim,  controlar a doença e fui indicada para um transplante autólogo  ( são utilizadas a próprias células tronco do paciente) no mês de dezembro 2014.

Tentei coletar a minha própria médula Óssea por 2 vezes. Mas não obtive sucesso.

Meu organismo não respondeu,  fiz testes com meus irmãos e nenhum foi compatível . Aí minha médica me inscreveu no Rereme (programa de cadastro de receptores de Medula óssea)

Comecei fazer um novo tratamento porque a doença tinha voltado mais forte do que tudo.  Fiz durante um ano e quatro meses e após o término dessa medicação, a doença não tinha cessado.

E em seguida, recebi a notícia mais feliz da minha vida!  Enfim, o meu doador tinha chegado!

Fizemos exame confirmatório de compatibilidade e ele era 100% compatível comigo.
Foi uma sensação inexplicável, uma vontade de gritar para o mundo ouvir.
Passaram meses entre várias tentativas de marcação do transplante.

E de repente, chegou a notícia que o mesmo não atendia mais o chamado para marcar o dia dos exames clínicos. Ele tinha sumido!
Diante do protocolo do Redome foi feito de tudo, mas infelizmente ele não respondeu e foi inativado.
Hoje continuo na medicação,  esperando o momento do transplante chegar.
Quero muito encontrar meu anjo, mesmo que esse não apareça.
Preciso lutar pela minha vida. E estou aqui sempre com esperança da Nova vida!

Jayse, minha querida, desejo do fundo do meu coração que você encontre o seu Anjo o quanto antes.

Na verdade, esse artigo é uma cartinha para o seu anjo…

Uma tentativa de sensibilizar pessoas para que elas possam se tornar doadoras e salvar a vida da Jayse e de tantas outros pacientes oncológicos que aguardam ansiosamente  um doador para ter chances reais de cura.

Se você se sensibilizou com a história da Jayse e deseja entrar nessa corrente do bem , conheça os pré-requisitos  e todos os detalhes para se tornar doador de medula óssea.

transplante de medula óssea

O que é  Transplante de Medula Óssea?

O transplante de medula óssea é um tipo de tratamento proposto para algumas doenças que afetam as células do sangue, como as leucemias e os linfomas.

Consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais da medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável.

É na medula óssea que se localizam as células-tronco hematopoéticas, responsáveis pela geração de todo o sangue (glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). Essas são as células substituídas no transplante de medula.

 

Como funciona o Transplante de Medula Óssea?

Transplante de medula óssea é um procedimento rápido, como uma transfusão de sangue, que dura em média 2 horas. Essa nova medula é rica em células chamadas progenitoras, que uma vez na corrente sanguínea, circulam e vão se alojar na medula óssea, onde se desenvolvem.

O paciente, depois de se submeter a um tratamento que destruirá a sua própria medula, receberá as células da medula sadia de um doador.

Estas células, após serem coletadas do doador são acondicionadas em uma bolsa de criopreservação de medula óssea, congeladas e transportadas em condições especiais (maleta térmica controlada com termômetro, em temperatura entre 4 Cº e 20 Cº) até o local onde acontecerá o transplante.

As células infundidas no paciente também podem ser da sua própria medula, retiradas antes do tratamento e congeladas para uso posterior (no caso do transplante autólogo).

Ou de sangue de cordão umbilical (em caso de doação aparentada ou utilização de uma unidade de células dos Bancos Públicos de Sangue de Cordão).

Durante o período em que estas células ainda não são capazes de produzir glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas em quantidade suficiente para manter as taxas dentro da normalidade, o paciente fica mais exposto a episódios infecciosos e hemorragias. Por isso, permanece internado no hospital, em regime de isolamento.

Passo a passo para se tornar um doador:

-Qualquer pessoa entre 18 e 55 anos com boa saúde poderá doar medula óssea. Esta é retirada do interior de ossos da bacia, por meio de punções, e se recompõe em apenas 15 dias

-Os doadores preenchem um formulário com dados pessoais e é coletada uma amostra de sangue com 5ml para testes. Estes testes determinam as características genéticas que são necessárias para a compatibilidade entre o doador e o paciente.

-Os dados pessoais e os resultados dos testes são armazenados em um sistema informatizado que realiza o cruzamento com dados dos pacientes que estão necessitando de um transplante.

-Em caso de compatibilidade com um paciente, o doador é então chamado para exames complementares e para realizar a doação.

-Tudo seria simples e fácil, se não fosse o problema da compatibilidade entre as células do doador e do receptor. A chance de encontrar uma medula compatível é, em média, de uma em cem mil!

-Por isso, são organizados Registros de Doadores Voluntários de Medula Óssea, cuja função é cadastrar pessoas dispostas a doar. Quando um paciente necessita de transplante e não possui um doador na família, esse cadastro é consultado. Se for encontrado um doador compatível, ele será convidado a fazer a doação.

-Para o doador, a doação será apenas um incômodo passageiro. Para o doente, será a diferença entre a vida e a morte.

-A doação de medula óssea é um gesto de solidariedade e de amor ao próximo.

-É muito importante que sejam mantidos atualizados os dados cadastrais para facilitar e agilizar a chamada do doador no momento exato.

Caso você decida doar

Você precisa ter entre 18 e 55 anos de idade e estar em bom estado geral de saúde (não ter doença infecciosa ou incapacitante).

 Onde e quando doar?

É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos hemocentros nos estados. No Rio de Janeiro, além do Hemorio, o INCA também faz a coleta de sangue. O cadastramento de doadores voluntários de medula óssea de segunda a sexta-feira, de 8h às 12h. Não é necessário agendamento. Para mais informações, ligue para (21) 3207-1580.

 Como é feita a doação ?

Será retirada por sua veia uma pequena quantidade de sangue (5ml) e preenchida uma ficha com informações pessoais.

Seu sangue será tipificado por exame de histocompatibilidade (HLA), que é um teste de laboratório para identificar suas características genéticas que podem influenciar no transplante. Seu tipo de HLA será incluído no cadastro.

Seus dados serão cruzados com os dos pacientes que precisam de transplante de medula óssea constantemente. Se você for compatível com algum paciente, outros exames de sangue serão necessários.

Se a compatibilidade for confirmada, você será consultado para confirmar que deseja realizar a doação. Seu atual estado de saúde será avaliado.

A doação é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sob anestesia peridural ou geral, e requer internação por um mínimo de 24 horas.

Nos primeiros três dias após a doação pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples.

Normalmente, os doadores retornam às suas atividades habituais depois da primeira semana.

Importante: Um doador de medula óssea deve manter seu cadastro sempre atualizado.

O Transplante de Medula Óssea é a única esperança de cura para muitos portadores de leucemias e outras doenças do sangue.

Nessa reportagem, você poderá saber com mais detalhes como funciona o Transplante de Medula Óssea.

FONTE DE PESQUISA: Site do INCA


Inscreva o seu email e receba em primeira mão conteúdos e atualizações do meu blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *