Conheça todos os tipos de câncer de mama e os tratamentos específicos para cada um

Você sabia que existe vários tipos de câncer de mama ?

Antes de ser diagnosticada com câncer,  Não sabia nada sobre a doença.
 
A não ser que Câncer é uma doença grave e que mata!
 
Nem sequer imaginava que existiam diversos tipos de câncer de mama.
 
Desde então, tenho conhecido muitas amigas do peito, alunas e  clientes de acompanhamento individual.
 
E é inevitável perguntarmos com qual o tipo de câncer fomos diagnosticadas.
 
E conversarmos sobre nosso protocolo de tratamento.
 
Por isso, me familiarizei com palavras tipo: Invasivo, infiltrante, lobular, ductal, in sito, etc…

 

E hoje vim para tirar algumas dúvidas sobre os tipos câncer de mama, bem como quais os tratamentos mais indicados para cada subtipo e estágio da doença.

Sim, porque todo o câncer tem nome ( tipo) e sobrenome ( subtipo). 

E uma série de especificidades.

E isso vai determinar, inclusive o tipo de tratamento, as chances de cura, etc.

Mas primeiro, vamos recordar um pouco sobre a doença que afeta um grande número de mulheres no Brasil e no mundo.

Preparada?

Entendendo o câncer de mama

Tipos de Câncer de mama

O câncer de mama, nada mais é, do que um crescimento anormal de células no seio.

Sendo o segundo tipo mais comum de câncer em todo o mundo, atinge principalmente mulheres acima de 35 anos, ou após a menopausa.

Apesar de ser menos comum, homens também podem ser afetados pela doença.

Já falei sobre esse assunto aqui no blog:  Você sabia que existe câncer de mama masculino?

O fato é que com o avanço da medicina, o câncer de mama em homens ou mulheres é um dos tipos de câncer mais curáveis atualmente.

E com a descoberta precoce da doença, as chances de cura são altíssimas.

Sendo assim, manter os exames e consultas de rotina com o ginecologista  e mastologista em dia é muito importante.

Câncer de Mama infiltrante Grau 3

Esse é o nome e sobrenome do câncer que tive.
 
 
Confesso que quando escutei a palavra INFILTRANTE  eu gelei…
 
Imaginei que o Câncer já tinha espalhado por todo o meu corpo, infiltrado tudo e para mim não tinha mais chances de cura.
 
O carcinoma ductal invasivo (ou infiltrante) se inicia  no interior de um ducto, rompe a parede desse ducto e cresce no tecido adiposo da mama.
 
A partir daí, pode se espalhar (metástase) para outras partes do corpo através do sistema linfático e da circulação sanguínea.
 
Por isso, esse nome assustador!
 
No entanto, esse  é o tipo mais comum de câncer de mama.
 
Cerca de 80% dos cânceres de mama invasivos correspondem ao carcinoma ductal infiltrante .
 
E que fique claro, mesmo sendo infiltrante, não quer dizer que a pessoa diagnosticada tenha metástase.
 
Esse foi o meu caso.
 

Tipos e Subtipos do câncer de mama e Tratamentos

desenho de um Câncer de mama

 
Os tipos de câncer de mama  também são classificados de acordo com o local onde o tumor está localizado, com o tamanho e estágio da doença, entre outros.
 
Por exemplo, aproximadamente 90% de todos os câncer de mama ocorrem nos ductos ou nos lóbulos.
 
Quando é um processo localizado, chama-se In situ. 
 
E quando a doença rompe o ducto ou lóbulo atingindo os tecidos em volta, é chamado de Invasivo ou infiltrante.
 

Outra coisa que diferencia o tipo de câncer  é que as células tumorais podem apresentar diversas formas de comportamento.

Vamos entender um pouco mais sobre os diferentes subtipos de câncer de mama (carcinoma):

-Carcinoma Lobular in Situ

Tipos de Câncer de mama - carcinoma lobular in situ

Tipo de câncer onde as células tumorais são provenientes das glândulas mamárias produtoras de leite.

Consiste no tipo de câncer que mais afeta as mulheres e é um tipo mais facilmente tratável.

Normalmente, o tratamento é bem leve.

-Carcinoma Lobular Invasivo

Evoluindo do carcinoma lobular in situ, essa classificação leva em conta a invasão das células tumorais nos lóbulos mamários, principalmente nas duas mamas.

É o segundo tipo mais comum de câncer de mama e  geralmente é bilateral ( nas duas mamas) em 30% dos casos.

Em muitas ocasiões, sua presença se relaciona com a presença de um câncer de ovário.

Seu diagnóstico é mais complicado de ser realizado em fases precoces da doença.

-Carcinoma Invasivo sem especificação

Um dos tipos de câncer de mama mais comuns. 

Anteriormente era conhecido como carcinoma ductal invasivo. 

Esse foi o meu diagnóstico. E no meu caso, a especificação foi o estadiamento da doença: Grau 3

Nesse subtipo, o tumor se localiza no ducto mamário e cresce em direção ao tecido adiposo das mamas.

As metástases desse tipo de câncer quando acontecem, se dão, principalmente devido à disseminação pelos vasos sanguíneos e sistema linfático.

Subtipos do carcinoma invasivo:

Existem ainda, além do carcinoma invasivo subtipos com melhor e pior prognóstico.

Entre os tipos com um prognóstico mais severo têm-se o carcinoma micropapilar, carcinoma misto e o carcinoma metaplásico.

Já os subtipos que apresentam um prognóstico melhor que o de carcinoma invasivo temos o carcinoma medular, carcinoma mucinoso, carcinoma metaplásico, carcinoma cístico adenóide e o carcinoma tubular.

Todos são formas mais raras de câncer de mama.

-Carcinoma Ductal in Situ

Tipos de Câncer de mama - carcinoma ductal n situ

Essa forma de câncer ainda está nos estágios iniciais, com as células tumorais encontradas dentro dos ductos mamários.

Ou seja, ainda não se espalharam.

Cerca de 20% dos novos casos de câncer de mama serão de carcinoma ductal in situ.
 
Quase todas as mulheres diagnosticadas neste estágio da doença podem ser curadas.
 
Além disso, normalmente seus protocolos de tratamentos são mais brandos.

-Doença de Paget

Essa forma de câncer de mama atinge menos de 1% da população.

E se caracteriza pelo desenvolvimento de células cancerígenas no tecido conjuntivo dos seios, em geral, nas aréolas e mamilos.

Com sintomas simples como coceira e vermelhidão, poucos são os pacientes que diagnosticam a doença em etapas iniciais.

Além disso, esse tipo apresenta altas chances de se disseminar em outras regiões do corpo.

-Câncer de mama inflamatório

Atinge cerca de 1-3% dos pacientes.

Esse tipo de câncer afeta os vasos sanguíneos presentes nas mamas, tornando o seio inflamado com todos os sinais assim o mesmo fica quente, inchado e vermelho.

Daí a importância de buscarmos uma Alimentação que desinflame o nosso organismo, independente do tipo de Câncer.

Também já escrevi sobre esse tema importantíssimo não só para quem tem câncer, mas para todos que desejam ter saúde :  Como saber se o seu corpo está muito inflamado e reduzir a inflamação crônica. 

-Angiosarcoma

Esse tipo de câncer não é propriamente um câncer de mama, mas pode ocorrer na área dos seios em alguns casos.

O Angiossarcoma corresponde ao câncer que ocorre nos vasos sanguíneos e/ou vasos linfáticos.

E como os mesmos estão presentes em todas as áreas do corpo, esse tipo de câncer  também pode se apresentar na área das mamas.

-Tumor Filoides

Outro tipo de câncer de mama mais raro de acontecer e assim como a doença de Paget, apresenta o desenvolvimento de células cancerígenas no tecido conjuntivo do seio.

Subtipos moleculares de câncer de mama e tratamentos

desenho da anatomia do seio feminino

Além dos tipos que se relacionam ao modo de ação dos tumores do câncer de mama, existe uma classificação que leva em consideração os tipos de proteínas que se encontram na superfície das células tumorais.

E consequentemente a forma como elas se comportam.

De acordo com essa classificação podemos encontrar: triplo negativo e o tipo HER+ e tumores luminais.

Qual o tipo de Câncer de Mama mais agressivo?

Antes de darmos continuidade a esse artigo, quero abrir aqui um parênteses, sobre um tema que  apavora a mulherada que busca a minha ajuda…

A agressividade do tipo de câncer diagnosticado.

Não é raro a quantidade de pessoas que me procuram porque foram diagnosticadas com triplo negativo, ou que são portadoras da proteína HER + , ou porque seu oncologista disse que seu câncer é agressivo.

Então, eu vou deixar uma coisa bem clara pra você:

TODO CÂNCER É AGRESSIVO… TODO CÂNCER SE NÃO TRATAR MATA!

Sim, é verdade que alguns subtipos têm prognósticos melhores, tratamentos mais brandos, menos riscos…

Mas isso não é uma sentença fechada!

Tem muita coisa que você pode fazer, além do tratamento tradicional, para aumentar as suas chances de cura.

E diminuir os riscos de uma recidiva,ok?

Dito isto, vamos aos subtipos moleculares do Câncer de Mama.

-Câncer de mama Luminal ( A ou B)

Esse também foi o meu subtipo: Luminal B.

Os cânceres luminais têm como característica principal  receptores de hormônios femininos.

Ou seja, eles “se alimentam” de estrogênio e progesterona.

Por isso, são bastante responsivos a tratamentos hormonais  ( hormonoterapia) com  o Tamoxifeno , Anastrozol , Letrozol, entre outros.

Estes são os cânceres de mama mais comuns. 

E considerados, menos agressivos.

Mas, conforme disse antes, se não tratar, mata.

Eles são divididos entre luminal A, caso seja uma célula que cresça lentamente, e luminal B, caso seja uma célula que cresça mais rapidamente.

A quimioterapia tem pouco efeito nesses tipos de câncer, mas funciona um pouco melhor nos cânceres luminais B.

-Câncer de mama HER +

Propaganda do filme sobre  o tipo de câncer de mama HER2+

O subtipo de câncer de mama  HER + é diagnosticado devido à alta presença da proteína HER+ que é encontrada nas membranas das células tumorais, ou seja, ao redor das células.

Este tipo de doença apresenta um crescimento mais acelerado e tinha uma resposta ao tratamento bastante ruim, antes do desenvolvimento dos medicamentos que bloqueassem o HER2.

Sim, há uns 10 anos atrás, esse subtipo não tinha um tratamento tão eficaz.

Mas depois do desenvolvimento do medicamento Trastuzumab (o famoso Herceptin), o tratamento do câncer de mama HER2 positivo melhorou dramaticamente.

E hoje a medicina já  consegue boas taxas de cura e controle de doença quando usamos a quimioterapia em conjunto com o Trastuzumab.

Atualmente também  existem vários medicamentos que agem bloqueando o HER2, como o Lapatinib (Tykerb), o Pertuzumab ( Perjeta) e o TDM1 ( Kadcyla).

Se o seu subtipo é HER2+ eu super recomendo o filme: Uma chance para viver.

( Tem na Netflix).

Esse filme  emocionante conta a História da criação do Herceptin que tem salvo a vida de mulheres de mulheres desde então.

-Câncer de Mama Triplo Negativo

Esse subtipo é o terror da mulherada que busca a minha ajuda.

 Ele tem a característica de não apresentar receptores hormonais (de estrogênio e de progesterona) e não apresentar o HER2.

Justamente por não apresentar estes 3 receptores, é chamado de triplo negativo.

Ainda não se sabe exatamente de que ele se alimenta.

Como ele não apresenta receptores, as medicações utilizadas para os outros subtipos de câncer não funcionam com o triplo negativo.

O principal tratamento desta doença se faz com a cirurgia e quimioterapia.

Depois disso, não se faz hormonoterapia, não se toma herceptin. 

E  como para esse subtipo, o risco de uma recidiva nos próximos dois anos após o término do tratamento é  maior ,  muitas pacientes entram em pânico.

Mas, sempre  oriento minhas coachees a adotarem um estilo de vida que torne seu corpo inóspito ao câncer. 

Sim, não me canso de repetir: Há muito o que você pode fazer para recuperar e manter a sua saúde.

Além disso, não podemos nos esquecer que atualmente a medicina está muito avançada.

E existem muitas pesquisas sendo feitas para desenvolver novos medicamentos para o câncer de mama triplo negativo, como os inibidores da PARP e os bloqueadores do receptor de androgênio.

Tratamentos para o câncer de mama de acordo com os tipos e subtipos

 tratamentos para os tipos de câncer de mama

O tratamento do câncer de mama é um esforço conjunto.

Assim, o ideal é a criação de uma junta médica com ginecologista,  mastologista, oncologista, radioterapeuta, todos os especialistas necessários para tratar da doença.

Em relação ao tratamento é preciso que o paciente esteja bem informado, e se necessário busque uma segunda opinião.

Com o grande número de avanços atuais nos tratamentos, existem um grande número de ensaios clínicos como alternativa aos tratamentos convencionais que citarei abaixo.

Contudo, participar de um estudo clínico precisa ser feito após conhecer todos os possíveis efeitos colaterais e assim escolher conscientemente.

Além disso, não são todos os tipos de câncer de mama que possuem ensaios clínicos.

Por isso, conversar com seu médico é muito importante.

Além dos tratamentos convencionais, existem ainda métodos complementares que podem ajudar com os sintomas provenientes dos tratamentos, tais como náusea e dores.

Entre os tratamentos do câncer de mama se enquadram a quimioterapia, cirurgia, radioterapia, entre outros.

Assim, esses tratamentos são divididos em duas categorias:

Tratamentos sistêmicos ou tratamentos locais.

Os tratamentos sistêmicos afetam o corpo como um todo, pois são realizados através do uso de medicamentos que atingem as células cancerígenas independentemente de onde elas são encontradas.

Entre os tratamentos sistêmicos encontram-se a quimioterapia, imunoterapia, terapia alvo e a terapia hormonal, explicarei sobre elas mais adiante.

Já os tratamentos locais afetam somente a região onde se encontra o tumor na mama, sendo assim, os tratamentos que se enquadram nessa categoria é a radioterapia e a cirurgia.

O tipo de tratamento aplicado depende do tipo e o estágio do câncer, contudo, pode-se ser realizado um tratamento conjunto com mais de um tipo para um melhor resultado.

Tratamento sistêmico: Quimioterapia

frasco de quimioterapia
 

Com o uso de medicamentos de uso oral ou diretamente na corrente sanguínea, esses produtos tendem a agir células tumorais presentes em qualquer região do corpo.

Por isso, é muito indicada quando existe uma disseminação do câncer de mama para outras regiões do corpo.

Além disso, o tratamento pode ser aplicado em conjunto com a cirurgia para a retirada do tumor, sendo aplicada antes para reduzir o tumor ou após a cirurgia.

Tratamento indicado para os tipos de câncer que se encontrem em qualquer estágio da doença.

Tratamentos sistêmico: Imunoterapia

Utiliza do próprio sistema imunológico para lutar contra os tumores.

Ainda não é um tipo de tratamento muito comum para o câncer de mama. 

Já escrevi um Artigo recentemente sobre esse tema: Novidades no tratamento do Câncer. 

Tratamentos sistêmico: Terapia alvo

Esse tratamento segue a mesma linha da quimioterapia afetando as células tumorais, contudo o mesmo também preserva as células saudáveis, diminuindo os efeitos colaterais.

Essa terapia muda dependendo do tipo de câncer de mama que é apresentado.

Por isso, é necessário conhecer as proteínas presentes nas células tumorais bem como o tipo de receptor que é expresso.

Tratamentos sistêmico: Terapia hormonal

Utiliza-se de inibidores de hormônios para controlar o crescimento de tumores dependentes de hormônios como a progesterona e o estrogênio.

Esse tratamento apresenta pouco ou nenhum efeito colateral.

Eu tomei por cinco anos o famoso Tamoxifeno. Você pode ler mais sobre esse tema clicando aqui

Tratamentos Local: Cirurgia

O tratamento por cirurgia vem para remover o tumor e todos os tecidos tumorais que ficaram em volta.

De modo geral, posteriormente pode ser acompanhado de radioterapia.

O tamanho da cirurgia depende do estágio e tamanho do tumor.

Existem dois tipos de cirurgia mais comuns: mastectomia radical ou a quadrantectomia.

A mastectomia radical, como o nome indica, é realizada quando a retirada das  mamas se faz necessária. Posteriormente pode ser realizada uma reconstrução dos seios através de implantes.

Eu fiz uma Mastectomia Radical com reconstrução imediata e super recomendo.

Afinal, o tratamento já mexe demais com a nossa autoestima.

Para a quadrantectomia, também chamada de mastectomia parcial, apenas os tecidos tumorais são retirados, ocorrendo assim a preservação da parte saudável da mama.

O tratamento cirúrgico para o câncer de mama é recomendável em 99% dos casos.

Sendo que para alguns pacientes é necessário realizar o tratamento quimioterápico previamente para reduzir o tamanho do tumor. 

Em outros casos, é feito primeiramente a cirurgia.

A cirurgia só não é indicada quando existe alguma condição pré-existente que não permita que a mesma ocorra sem colocar em risco a vida do paciente, ou na presença de um grande número de metástases.

Tratamentos Local: Radioterapia

O tratamento por radioterapia, de modo geral, acontece após retirar o tumor por cirurgia.

A radioterapia é realizada sobre a área que o tumor se encontrava anteriormente para retirar qualquer célula tumoral que ficou para trás.

São necessárias múltiplas sessões de curta duração, o número exato é definido pelo médico.

Além do tratamento direto contra o câncer de mama, muitas vezes a radioterapia pode ser utilizada para o tratamento de algumas metástases, principalmente aquelas encontradas no cérebro ou outras áreas mais sensíveis.

Tratamentos de acordo com o estágio da doença

Dividido em 4 estágios, os tratamentos do câncer de mama variam de acordo com o avanço e a gravidade da doença.

Assim, o estágio I e II, em geral, consistem na cirurgia para a retirada do tumor.

Após a cirurgia, pode ser realizada o tratamento com radioterapia e por fim uma reconstrução da mama caso venha a ser necessário devido a cirurgia.

Além disso, de acordo com aspectos do paciente que possam levar a um retorno do tumor é realizada uma quimioterapia focada nesse aspecto.

Em alguns casos, outro tratamento sistêmico pode ser incluído, a hormonoterapia.

Em resumo, o estágio I e II podem ser tratados com cirurgia e radioterapia localmente e quimio e hormonoterapia sistemicamente.

O estágio III também se enquadra para uma cirurgia para a retirada do tumor, já que a diferença entre os estágios se encontra apenas no tamanho do tumor na mama.

Nesse caso ( o meu), o Câncer está localmente avançado. 

Fiz a mastectomia antes da quimioterapia e o tumor tinha 4cm palpáveis e 8 cm de extensão.

Costumo brincar que o bicho foi criado a base de todinho…hehe!

Mas ainda assim, o tumor ainda se apresentava apenas localmente na mama e em três linfonodos.

No estágio IV, o câncer de mama já se espalhou para outras partes do corpo, assim o tratamento é principalmente sistêmico .

Conclusão

desenho de um câncer de mama

O câncer de mama se enquadra em um dos principais tipos de câncer que afetam um grande número de pessoas, perdendo apenas para o câncer de pele.

Sendo que o mesmo, quando descoberto precocemente apresenta altas chances de cura.

Por isso, os exames e consultas regulares com o ginecologista e mastologista são as melhores opções  para detecção precoce, principalmente para mulheres com mais de 40 anos de idade.

Agora, você já consegue entender um pouco melhor como são realizadas as classificações dos tipos e subtipos de câncer de mama (ao menos espero ter conseguido ajudar a esclarecer esses pontos).

Então, você  já tinha ouvido falar de algum desses tipos?

Existe algum tipo de câncer que deseja que eu explique melhor sobre as classificações existentes?

Escreva nos comentários.

Eu sei que em um primeiro momento é muita informação.

Especialmente, se você está caindo de paraquedas nesse mundo recentemente. ]

Por isso, eu gravei um vídeo no meu canal falando sobre os subtipos mais comuns do Câncer de mama.

Ele vai funcionar como um resumo de tudo o que escrevi aqui

: )

Até a próxima.

Referências

http://www.oncoguia.org.br/conteudo/tipos-de-cancer-de-mama/1382/34/

https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama

https://www.sboc.org.br/images/diretrizes/diretrizes_pdfs/Carcinoma_de_Mama.pdf

http://relatosdocbc.org.br/detalhes/190/carcinoma-papilifero-intracistico-mamario-bilateral



Clique ABAIXO ⤵ e Receba de Presente o Livro digital:

“ 50 perguntas para o seu Oncologista”

Após o diagnóstico de câncer, você sabe as perguntas certas que deve fazer para o seu Oncologista? Não deixe o medo, incerteza e a impotência influenciar o seu processo de tomada de decisão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *