Câncer de pele: quais os tipos?

Sempre é tempo de conscientização sobre o câncer de pele! Você sabe como surge e quais os tipos de câncer de pele

 

Afinal, esse é o tipo de câncer que mais acomete os brasileiros, e ao contrário de muitos locais em que é friozinho e há um sol ameno nesta época do ano, no hemisfério sul a coisa pega fogo e a atenção com a nossa pele deve ser redobrada.

 

O problema é que muitas vezes os sinais que a pele nos dá quando algo está errado passam despercebidos. 

menina com lupa investigando sinais de câncer
Conheça os diferentes tipos de câncer de pele e como preveni-los.

Além de se proteger do sol, é importante olhar para as manchinhas e as pintinhas do corpo. Já que o câncer de pele representa 30% dos diagnósticos da doença no Brasil e boa parte do sucesso do tratamento vem da habilidade em reconhecer os sintomas sutis.

 

A seguir, te conto quais os tipos de câncer de pele e como reconhecê-los.

Quais são os tipos de câncer de pele?

Os diferentes tipos de câncer de pele se manifestam com pequenas manchas de características diferentes.

 

Entender essas características ajudam a procurar ajuda com mais eficiência, evitando diagnósticos precipitados. 

 

A gente sabe que receber um diagnóstico de câncer, seja ele qual for, costuma assustar. Mas boa parte desse medo vem da nossa cultura popular, do audiovisual e da literatura que nos apresenta a doença sempre em tipos agressivos e estados avançados.

 

A verdade é que quando identificamos os sinais e tipos prontamente, temos um tratamento mais rápido e tranquilo, conseguindo passar pelo tratamento com mais leveza, recebendo resultados mais eficientes.

 

Veja como reconhecer os sinais:

 

Tipo de câncer de pele não melanoma

Confira:

 

Carcinoma Basocelular (CBC)

Quando o corpo apresenta feridas que não cicatrizam, logo associamos a doenças tipo diabetes, mas poucas pessoas associam esses machucados ao câncer de pele. 

 

Mas calma, o Carcinoma Basocelular, embora mais comum, é o tipo de câncer menos agressivo e suas chances de cura são altas para quem o descobre cedo.

 

As marcas, ao analisadas, também podem ser confundidas com psoríase, eczema e até espinhas, 

devido a aparência brilhosa, vermelha e geralmente com uma crosta central que sangra mas que não costuma ser dolorosa. Também é possível que as lesões sejam translúcidas, serem elevadas e deixarem vasos sanguíneos visíveis.

 

Por isso é importante sugerir a possibilidade de uma lesão cancerígena ao médico dermatologista.

 

CBC’s, na grande maioria das vezes, surgem em lugares visíveis facilmente, por terem mais contato com a luz do sol. Rosto, pescoço, braços, ombros, orelhas e couro cabeludo são lugares comuns.

 

Carcinoma Espinocelular (CEC)

Esse tipo de câncer de pele é menos comum que o basocelular, mas tem uma aparência mais identificável devido às grandes chances de metástases (quando os tumores se espalham).

 

O Carcinoma Espinocelular aparece como crostas escamosas pela pele que apresentam claros danos relacionados à exposição solar intensa, como pele excessivamente enrugada, ressecada com perda de elasticidade e mudanças na pigmentação. Além disso, elas podem se apresentar como “verrugas”.

 

É mais prevalente em pessoas que têm um longo histórico de exposição solar, sendo duas vezes mais frequentes em homens que mulheres. Exposição a radiação, luz artificial e agentes químicos também podem influenciar.

imagem ilustrativa prevenção câncer de pele
Por isso, cuidado com aquele bronzeamento em excesso, pessoal!

 

Tipo de câncer de pele melanoma

O Melanoma é o tipo de câncer mais agressivo. No entanto, há algumas considerações a se fazer.

 

Em primeiro lugar, o diagnóstico precoce é ainda mais importante aqui. Depois, essa doença atinge principalmente pessoas claras e com manchinhas, mas isso não quer dizer que pessoas negras não possam apresentá-la. 

 

O que nos leva a terceira consideração: geralmente esse câncer de pele quando se apresenta em pessoas retintas, é mais grave, devido ao diagnóstico tardio e dificuldade de análise.

 

A detecção precoce do Melanoma pode aumentar as chances de cura em até 90%.

 

Se as lesões do câncer de pele não melanoma são mais nítidas, aqui elas se confundem com pintas comuns. Sabe aquela pinta que apareceu a pouco tempo e você nunca deu atenção? Tá na hora de dar uma analisada.

 

Como qualquer pinta, ela não doe. O que pode fazer com que esse câncer passe despercebido. É importante observar se o sinal, castanho ou enegrecido vai mudando de tonalidade, tamanho e formato. Em alguns casos ele pode apresentar sangramentos.

 

As manchas também podem aparecer em lugares menos visíveis, embora seja comum que se apresentem na perna, no tronco, pescoço e rosto.

 

Quero pontuar que o câncer de pele pode aparecer em qualquer pessoa, mas há alguns fatores de risco como ter mais de quarenta anos e ter a pele mais clara com fototipos I e II de sensibilidade. 

 

O fator genético influencia sim, mas sempre gosto de pedir às minhas leitoras que não se apegue apenas em heranças genéticas e análises de riscos mas com seu cuidado em hábitos cotidianos.

 

Como é o tratamento desses tipos de câncer de pele?

Confira:

Carcinoma Basocelular (CBC)

Este tipo de câncer de pele é geralmente tratado por meio de procedimentos cirúrgicos, como a excisão simples, curetagem e eletrodissecção, ou mesmo a cirurgia de Mohs, uma técnica que remove camadas finas de pele, examinando-as imediatamente ao microscópio para garantir a remoção completa do tumor, preservando a pele saudável ao redor.

Além das opções cirúrgicas, a terapia fotodinâmica é outra alternativa para o tratamento do CBC. Nesse procedimento, uma substância fotossensível é aplicada na área afetada e, em seguida, ativada por uma luz específica, destruindo as células cancerígenas. 

 

Para casos menos agressivos, também são utilizadas terapias tópicas, como cremes e géis contendo medicamentos para reduzir o crescimento do tumor.

Carcinoma Espinocelular (CEC)

O tratamento para o CEC também pode envolver cirurgia para remoção do tumor. Em casos mais avançados, quando o câncer se espalha para os gânglios linfáticos ou outras áreas, pode ser necessária a radioterapia ou quimioterapia para diminuir o risco de recorrência.

Quando o CEC atinge estágios avançados ou é mais agressivo, a radioterapia pode ser aplicada para destruir as células cancerígenas, especialmente quando a cirurgia não é uma opção viável. 

 

Além disso, novas terapias-alvo e imunoterapia têm sido exploradas como opções de tratamento para casos mais complexos, visando direcionar especificamente as células afetadas ou fortalecer o sistema imunológico contra o câncer.

Melanoma

O tratamento do melanoma pode incluir cirurgia para remover o tumor, além de terapias adicionais, como imunoterapia, terapia-alvo e quimioterapia, especialmente em estágios mais avançados. A imunoterapia, por exemplo, utiliza o sistema imunológico para combater as células cancerígenas, enquanto a terapia-alvo ataca mutações específicas no câncer de pele.

Quando mais avançado, o melanoma muitas vezes exige uma abordagem multidisciplinar. Além da remoção cirúrgica do tumor, a imunoterapia e a terapia-alvo têm se destacado como eficazes. 

 

A imunoterapia, por exemplo, utiliza anticorpos para fortalecer as defesas do corpo contra o câncer, enquanto a terapia-alvo ataca especificamente as mutações genéticas presentes no melanoma.

 

Como diminuir o risco de desenvolver câncer de pele?

Continue lendo para ter mais informações!

 

  • Reduza a exposição solar: Evite a exposição prolongada ao sol, principalmente entre 10h e 16h, quando os raios ultravioleta (UV) estão mais intensos. Busque sombra e proteção nesse período.

 

  • Use protetor solar com alto fator: Use protetor solar diariamente, mesmo em dias nublados, com FPS (Fator de Proteção Solar) mínimo de 30 para proteção contra os raios UVB. Procure por protetores que também ofereçam proteção UVA.

 

  • Reaplique a proteção: Reaplique o protetor a cada duas horas, após nadar ou transpirar intensamente, mesmo que o produto seja resistente à água.

 

  • Corte o bronzeamento: Evite o bronzeamento artificial em camas de bronzeamento, pois isso aumenta significativamente o risco de desenvolver câncer de pele.

 

  • Corte o cigarro: Pare de fumar. O tabagismo está relacionado a um maior risco de desenvolver diversos tipos de câncer, incluindo o câncer de pele.

 

  • Alimente-se corretamente e hidrate-se: Mantenha uma dieta rica em frutas, legumes, verduras e alimentos antioxidantes. Hidrate-se regularmente, especialmente em dias quentes.

 

  • Use óculos e roupas de proteção: Ao se expor ao sol, use roupas de proteção, como camisas de manga longa, chapéus de abas largas e óculos de sol com proteção UVA/UVB para proteger a pele e os olhos.

 

  • Faça exames de rotina: Faça exames de rotina com um dermatologista para avaliar a pele e identificar precocemente possíveis lesões suspeitas.
Gif ilustrativo consulta médica
Nada de fugir do médico hein!

Qual a importância de realizar visitas ao médico com frequência?

Fazer visitas regulares ao médico é fundamental para a saúde, especialmente no caso do câncer de pele, onde a detecção precoce é crucial. Consultas frequentes possibilitam um acompanhamento mais próximo, permitindo a identificação de lesões cutâneas suspeitas ou alterações que podem indicar o surgimento do câncer.



  • Avaliação e Monitoramento de Lesões Cutâneas: Pessoas com histórico de exposição solar intensa, pele clara, ou que tenham lesões prévias devem realizar consultas regulares para monitorar essas áreas e identificar mudanças suspeitas que possam indicar um possível câncer de pele.

 

  • Aconselhamento e Cuidados Específicos: Para aqueles que já tiveram câncer de pele, consultas frequentes são essenciais para o monitoramento pós-tratamento e para identificar precocemente recorrências ou novas lesões.

 

  • Estabelecimento de Rotinas de Cuidados com a Pele: Visitas regulares ao dermatologista ajudam na criação de rotinas de cuidados específicos para a pele, incluindo hábitos saudáveis e medidas preventivas para reduzir o risco de desenvolver câncer de pele.

 

  • Avaliação Global da Saúde: Além de focar em uma condição específica, fazer check-ups médicos gerais permitem uma avaliação da saúde que engloba aspectos físicos, mentais e emocionais, contribuindo para um cuidado holístico.

 

  • Gerenciamento de Condições Crônicas: Para pessoas com condições crônicas, como diabetes, hipertensão ou doenças cardíacas, consultas frequentes são essenciais para monitorar e ajustar tratamentos, prevenindo complicações graves.



Espero que essas orientações te ajudem a prevenir quaisquer tipos de câncer de pele e que a informação que você recebeu aqui seja espalhadas a outras pessoas. Para mais informações sobre o câncer de pele, clique aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *