5 Verdades que ninguém te contou depois que você foi diagnosticada com Câncer

 

Eu tenho certeza que depois que você foi diagnosticada com câncer, recebeu apoio dos seus entes queridos, familiares e até mesmo se surpreendeu com atitudes  solidárias de algumas pessoas que você nem tinha tanta intimidade assim.

Provavelmente, você Também se decepcionou com algumas pessoas que  você nunca imaginou que se afastariam no seu momento de maior fragilidade…

Se você não entende porque isso aconteceu, leia  o Artigo: A Solidão de quem tem câncer.

Saiba que, se  encarar a sua nova realidade está sendo difícil pra você, também não está  nada fácil para quem tenta te dar suporte, sem entender, de fato, tudo o que você está vivendo e sentindo.

Eles estão tão perdidos quanto você!

O fato é que  ainda existe muito Tabú, muito Mito, muita Crendice  quando o assunto é Câncer. E a gente precisa desmitificar isso !

Então, hoje vou compartilhar com você algumas verdades que eu acho muito pouco provável que alguém tenha te dito desde o seu diagnóstico.

Especialmente se a pessoa que está te dando suporte não sabe o que é ter um  Câncer.

Me perdoe se em algum momento eu  parecer dura, mas eu preciso ser sincera…

Eu adoraria  ter sabido dessas verdades logo no começo da minha jornada. Isso ia me poupar um bocado de sofrimento.

Então, lá vai!

5 VERDADES QUE NINGUÉM TE CONTOU DEPOIS QUE VOCÊ FOI DIAGNOSTICADA COM CÂNCER

Verdade 1. NÃO É SUA CULPA, MAS É SUA RESPONSABILIDADE

depois que você foi diagnosticada com Câncer

Assim que fui diagnosticada, eu me senti um verdadeiro fracasso…

E também me senti muito culpada. Eu não entendia o porquê daquilo tudo estar acontecendo comigo, nem como eu tinha chegado em um resultado tão ruim na minha vida…

O  Câncer que tive estava localmente avançado. Então, precisei  fazer uma Mastectomia Radical com reconstrução imediata antes de iniciar a quimioterapia.

E ainda no Hospital que fiz a Cirurgia, tive acompanhamento psicológico.

Me lembro que no primeiro bate-papo que tivemos,  a psicóloga me abraçou dizendo que não era minha culpa, enquanto eu chorava copiosamente como uma criança que se culpa pela morte do seu cachorrinho.

E então,  diante do meu questionamento sobre o porquê daquilo tudo estar acontecendo, ela afirmou:

“Caiu na sua cabeça!”

Sinceramente, não acredito que um câncer aconteça na vida de uma pessoa aleatoriamente.

Simplesmente por falta de sorte. Como se a doença fosse uma espécie de loteria genética do azar.

Ao contrário,  eu creio em um mundo de causa e efeito.

Tudo o que acontece sempre tem um porquê, por mais que a gente não entenda…

Mas então, o que eu tinha semeado pra ter colhido um Câncer na minha vida?

Nunca questionei Deus. Nunca achei que era castigo ou o que estava passando era injusto.  Ao invés de me perguntar : “Por que eu? ” , sempre afirmei: “Porque não eu !”

Nunca pensei que eu fosse especial a ponto de ficar imune ao câncer…

Porque quando a gente acha que com a gente é uma injustiça. De certa forma, estamos acreditando que  alguém merece ter câncer… Como se a doença só fosse justa se acometesse  gente do mal.

E como diria a minha avó: “-Doença não dá em poste!”

Eu já sabia que devia haver uma razão acima do meu entendimento pra tudo o que eu estava vivendo.

Mas  por outro lado, eu queria entender o porquê e como as minhas células sofreram essa mutação genética e tinham adoecido. E o quanto eu colaborei para que isso acontecesse…

Sofri muito e demorei  pra compreender que por mais que minhas escolhas tivessem contribuído para que eu tivesse um câncer, eu nunca desejei isso. E portanto, não poderia me culpar por escolhas inconscientes que fiz…

Porém, parar de sentir culpa, não significava me isentar pela responsabilidade de recuperar a minha saúde.

Por mais que eu tivesse acesso a tratamento, apoio dos médicos, familiares e amigos. Essa era uma jornada minha. E era a minha responsabilidade fazer o que tivesse ao meu alcance para ajudar o meu corpo a se curar.

Ninguém escolhe ter um câncer e portanto não precisamos nos culpar pelo diagnóstico.

Porém, nos eximir da responsabilidade de recuperarmos a nossa saúde, acreditando que a nossa cura está somente entre os médicos e Deus  e não temos qualquer participação nisso é  miopia ou fuga da realidade.

Então, pára com esse negócio de : “Seja o que Deus quiser!”

Deus sempre quer o melhor pra gente, né?

Confie nos  seus médicos, siga o seu protocolo de  tratamento, exercite a sua Fé.Mas faça a sua parte também !

E busque  o que está ao seu alcance para colaborar com o seu processo de cura.

Você precisa retomar as rédeas da sua Saúde e da sua vida em suas mãos! E só você pode fazer isso!

É Por isso que eu reafirmo: Não é sua culpa, mas é sua responsabilidade!

VERDADE 2. A GENÉTICA CARREGA A ARMA, MAS É O SEU ESTILO DE VIDA QUE PUXA O GATILHO

depois que você foi diagnosticada com Câncer

Para você entender o que quero dizer, vamos esclarecer primeiro um ponto muito importante que muita gente confunde.

Todo o Câncer é genético, na medida em que ele nasce  no momento em que células  com defeito no seu código genético se multiplicam indiscriminadamente e se recusam a morrer.  E o nosso sistema imunológico por alguma razão é incapaz de pará-las.

Porém, nem todo câncer é hereditário. Ou seja, se sua mãe, avó, ou tios tiveram câncer, isso não significa que você também terá.

Da mesma forma, que não é porque na sua família ninguém tem câncer que você está livre de um dia ser diagnosticado com câncer.

Isso causa muita confusão… Eu mesma, não entendia como tinha sido diagnosticada se na minha família não tinha nenhum caso de Câncer.

Acontece que todos os estudos científicos são unânimes em afirmar que no máximo 15% dos  Cânceres são de origem hereditária.

Isso quer dizer que os outros 85% estão relacionados a estilo de vida.

Tabagismo é a maior causa de Câncer no mundo. E a obesidade vem em segundo lugar!

Sabia que 1\3 dos casos de cânceres poderiam ser evitados?

Portanto, vale à pena fazermos uma avaliação sincera sobre o nosso estilo de vida.

Se o Câncer é uma doença degenerativa,  o que podemos fazer para evitarmos a doença.

E uma vez diagnosticados, o que podemos fazer para recuperarmos a nossa saúde e nos mantermos saudáveis daqui pra frente…

Outro ponto a se considerar, é que se você tem casos na família, isso não significa que você é o próximo da fila.

A probabilidade é maior, ok ! Mas isso não é uma sentença!

Você pode diminuir os riscos adotando um estilo de vida que te garanta uma biologia anticâncer.

Infelizmente somos frequentemente levados a acreditar que o Câncer é antes de tudo uma questão de genes, não de estilo de vida. Porém, o inverso é verdade!

Segundo estudo do  Instituto Karolinska na Suécia ( órgão encarregado de fazer a lista de candidatos ao Prêmio Nobel), gêmeos geneticamente idênticos geralmente  não compartilham o risco de contrair câncer.

Esse estudo publicado no New England Journal of Medicine concluiu que os fatores genéticos têm uma contribuição pouco importante na suscetibilidade à maior parte dos cânceres.

Por outro lado, a morte por câncer de um pai adotivo ( que não transfere nenhum Gene, mas transfere hábitos de vida) multiplica por 5  o risco da pessoa adotada morrer de Câncer.

É por isso que afirmo: A genética carrega a arma, mas é o seu Estilo de vida que puxa o gatilho!

VERDADE 3. ACEITA QUE DÓI MENOS

depois que você foi diagnosticada com Câncer

Esse é o mantra que uso com meus alunos. Porque a Aceitação é o primeiro passo para a cura emocional.

Eu sei o quanto é difícil a gente aceitar essas coisas “ruins” que nos acontecem.

Mas só tem duas formas da gente mudar a nossa vida: Mudando o exterior ( nossa realidade) ou mudando nosso mundo interior ( a nossa percepção sobre a nossa realidade).

E se você foi diagnosticada como eu fui, não tem como mudar esse fato!

Você pode e deve fazer o que está ao seu alcance para se curar, mas você não pode mudar o que já aconteceu… A realidade é que hoje você é um paciente Oncológico.

E veja bem, aceitação não tem nada a ver com comodismo. Aceitar o seu diagnóstico não significa se acomodar nessa situação ou desistir…

Aceitar é  partir em busca da cura, sentindo-se em paz. Sem carregar o fardo da revolta, da luta interna, do sofrimento.

Por que diante de um diagnóstico, a Dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional!

A gente sofre quando resiste… Não aceita, julga que o que nos aconteceu está errado, é injustiça, etc.

Quando fazemos isso, de certa forma, acreditamos que  Deus está errado.  Afinal, somos muito mais sábios que Ele, não é mesmo?

Eu parei de sofrer na medida em que parei de lutar contra o inevitável : A minha realidade.

E aprendi a fazer isso, não porque eu seja um ser altamente espiritualizado, mas porque eu entendi que todas as vezes que eu luto contra a realidade, eu perco em 100% das vezes.

E isso me causa sofrimento!

E é por entender essa verdade que quando eu fiz um ano que tinha finalizado meu tratamento, tatuei nas minhas costas: Amor Fati ( ame seu Destino em latim).

Porque finalmente compreendi o propósito da minha Dor:  O quanto ela me trouxe força, coragem e sabedoria. E entendi que tudo o que passei, era parte de um Plano Maior.

Ou você acha que se eu não tivesse tido câncer, você e milhares de outras pessoas estariam agora lendo meu blog , fazendo meus cursos e sendo confortados e impactados pelo meu trabalho…

Então, como alguém que está um pouco mais à frente na Jornada, eu te digo: Confie!

Mesmo que você não entenda agora, saiba que toda dor tem um propósito.

E o primeiro passo para você descobrir o Propósito para o que está acontecendo, é você aceitar…

Não adianta resistir , porque tudo o que você precisar passar, você vai passar…

Mas saiba que embora você não tenha escolhido ter um Câncer, você ainda pode decidir a forma como quer encarar a sua realidade.

Escolha superar com leveza! E como primeiro grande passo: Aceita, que dói menos!

 

VERDADE 4. VOCÊ NÃO É A MULHER MARAVILHA!

depois que você foi diagnosticada com Câncer

Isso ficou muito claro pra mim depois que fui diagnosticada…

Sempre  tive uma vida muito ativa e cuidei de tudo e de todos à minha volta.

Sempre me achei uma fortaleza, e a doença me mostrou que não sou de ferro!

Como todo e qualquer ser humano, preciso de cuidado, e sim, eu também sou vulnerável e tenho minhas limitações…

Quando estava em tratamento, sentia como se a Vida, o Universo, Deus ou o que você acreditar, quisesse dar um PAUSE na minha vida.

Era preciso parar… E aprender a respeitar os meus limites…

Também era preciso aprender a pedir e aceitar ajuda.

Missão quase impossível para quem se considerava independente e estava acostumada sempre a se doar.

E hoje, no meu trabalho, eu vejo que esse padrão é muito comum em todas as minhas alunas.

Eu costumo brincar que a gente sofre da “Síndrome da Mulher Maravilha”.

E  quem sofre dessa síndrome tem como sintomas querer controlar e centralizar tudo : Trabalha muito, cuida da casa, marido, filhos, família, é excelente profissional, excelente  em tudo, se doa o tempo inteiro e…

Se coloca em último lugar !

Não ficarei surpresa se você agora estiver pensando: – Meu Deus! Essa aí sou eu!

Então, pare tudo agora, olhe para você, para as suas necessidades, isso não é egoísmo. É amor próprio!

Desacelere, respeite seus limites e fragilidades porque você não é a Mulher Maravilha!

VERDADE 5.  VOCÊ NÃO É O QUE TE ACONTECEU. VOCÊ É O QUE ESCOLHE SE TORNAR!

depois que você foi diagnosticada com Câncer

Diante do diagnóstico eu achei que ia morrer muito em breve. E quando olhei pra minha vida, senti um misto de frustração e fracasso.

Mas invés, de me vitimizar e entregar os pontos sem nem mesmo lutar, eu me fiz a promessa de que se a vida me desse uma segunda chance eu iria, fazê-la valer à pena!

Eu  não aceitei o Câncer como a ultima palavra na minha vida e me prometi que daria a volta por cima.

Iria usar essa doença como ponto de partida para dar uma virada na minha vida.

Eu não queria me sentir uma perdedora o resto da minha vida…

E decidi que eu iria tirar algo de bom dessa história toda, nem que fosse aprendizado.

Nunca deixei que o Câncer me definisse. E principalmente limitasse a minha vida e tirasse a minha alegria de viver!

Não permiti que o Câncer roubasse meus sonhos.

E hoje, tenho orgulho da maneira como superei o maior desafio que a vida me trouxe. E especialmente, da pessoa que me tornei por conta disso.

Por isso te afirmo que a maneira como você decidir como vai enfrentar tudo isso, vai definir o seu futuro.

Se você enfrentar o câncer com passividade, se vitimizando, acreditando que está fadada a uma vida limitada e infeliz o resto da sua vida porque teve câncer, advinha o que vai acontecer?

Eu sei que agora pode ser que o seu sofrimento seja tão grande que tudo o que estou falando  pareça utopia e uma realidade muito distante de você.

Mas eu preciso ser honesta com você e te falar que por mais que esteja doendo agora, não há nada na vida que te diga que você precisa viver sofrendo eternamente a não ser que essa seja a sua escolha!

Não deixe o Câncer se tornar a sua identidade… Ele vai passar, mas a pessoa que você vai se tornar, essa pessoa você vai ter que conviver o resto da sua vida.

Por isso, dedique um tempo para descobrir quem é essa nova pessoa que está nascendo com o Câncer.

Mais que isso, invista seu tempo para saber mais sobre a doença que você quer  superar, mas sobretudo, dedique tempo na reconstrução dessa nova pessoa pra que ela  não seja medrosa, amargurada e vitimista.

Escolha usar essa experiência de vida para se tornar uma pessoa mais leve, mais humana, mais resiliente e mais feliz.

Porque você não é o que te aconteceu, você é o que escolhe se tornar  !

Se o que te falei, faz sentido, mas diante do diagnóstico, você ainda se sente muito perdida, CLIQUE AQUI e assista ao vídeo onde explico como posso te ajudar ainda mais com meu trabalho.

6 Comentários


  1. Terminei as químicos e não precisei fazer rádio. Gostaria de saber como é por onde mando o meu antes e depois e conto do sobre o câncer que tratei, pra vc postar?


  2. Foi muito dificio mais eu consegui vencer o cãncer.


  3. Boa tarde!!
    Eu tenho linfoma no baço e realmente foi um susto pois em minha família ninguém teve e para piorar depois que fui diagnosticada recebi mas uma pancada o meu marido foi embora no momento em que mas precisava, fiquei sem chão e sem poder contar por exemplo pra minha mãe que é cardiopata e muito idosa, então sem muito apoio, conto apenas com meu filho…. Essa
    semana faço biopsia de medula e começo a quimioterapia muito assustada pois não sei o que me espera daí por diante…

Página 1 de 2 Próximo →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *