Tamoxifeno: medicamento que reduz o risco de câncer de mama

Sei que após receber o diagnóstico de câncer de mama, muitas mulheres se perguntam sobre as opções de tratamento e prevenção disponíveis. Uma dessas opções é o tamoxifeno, um medicamento amplamente utilizado para reduzir o risco de câncer de mama em mulheres de alto risco. 

Aqui, vamos explorar o que é o tamoxifeno, como ele atua no combate ao câncer de mama, quais são os seus efeitos colaterais e quem pode realizar a prevenção com esse medicamento.

imagem ilustrativa paciente de câncer de mama em tratamento com tamoxifeno
Tamoxifeno e câncer de mama. | Foto: Freepik.

O que é tamoxifeno?

O tamoxifeno foi descoberto na década de 1960 por cientistas do grupo farmacêutico britânico Imperial Chemical Industries (ICI). Inicialmente desenvolvido como um contraceptivo, logo se revelou um medicamento com propriedades únicas no combate ao câncer de mama.

 

Embora tenha se mostrado ineficaz como uso contraceptivo, a descoberta contribuiu para o avanço da abordagem terapêutica do câncer de mama, graças a um pesquisador que descobriu potencial no medicamento para cânceres de mama receptores de hormônio positivo. Ou seja, casos em que há relação com o hormônio estrogênio.

Hmmm, elementar minha cara | Gif: Giphy.com

10 anos depois, no Reino Unido, o primeiro teste clínico foi feito. Entre 46 mulheres testadas, 10 obtiveram um resultado positivo em seu tratamento oncológico.

 

Assim, o tamoxifeno tornou-se um medicamento importante para reduzir o risco e tratar certos casos desse câncer.

 

Pertencente à classe dos moduladores seletivos de receptores de estrogênio (SERMs, na sigla em inglês), o medicamento é capaz de bloquear a ação do estrogênio nas células mamárias.

 

O estrogênio, apesar de ser um hormônio importante para funções no organismo feminino, se desregulado pode estimular o crescimento de certos tipos de câncer, especialmente o câncer de mama. Por isso, medicamentos como o tamoxifeno, agem bloqueando os receptores de estrogênio, impedindo essa atuação.

 

Isso pode ajudar a reduzir o tamanho do tumor e prevenir a disseminação do câncer para outras partes do corpo, atrasando o desenvolvimento do tumor, contribuindo para sua retenção e evitando metástases.

 

O tamoxifeno também é usado em outros contextos médicos, como no tratamento da infertilidade em mulheres com anovulação, uma condição em que os ovários não produzem óvulos de forma adequada. Além disso, o tamoxifeno pode ser usado para reduzir o risco de fraturas ósseas em mulheres na pós-menopausa com osteoporose.

 

Uma questão importante é que esse remédio não é útil para casos que são apenas positivos para o hormônio progesterona. De qualquer forma, quando a doença é hormônio positiva, seja para estrogênio, progesterona ou outro hormônio, seu prognóstico costuma ser mais positivo, mesmo que a resposta possa parecer lenta.

 

Sobre a forma de aplicação do medicamento, ele é geralmente administrado por via oral, na forma de comprimidos, e é importante seguir as orientações médicas quanto à dose e duração do tratamento.

comprimidos-de-tamoxifeno
Tamoxifeno:bloqueador de estrogênio no tratamento para câncer de mama. | Foto: Freepik.

Como ele atua no combate ao câncer de mama? 

Como expliquei, o tamoxifeno é conhecido por atuar ligando-se aos receptores de estrogênio nas células cancerosas, impedindo que ele estimule o crescimento dessas células. Mas, além disso, ele também pode atuar para o tratamento para câncer de mama de outras formas.

 

O medicamento pode estimular a apoptose (que é a morte programada das células cancerosas), contribuindo para a redução do tumor e também pode inibir a angiogênese, que é a formação de novos vasos sanguíneos que alimentam o tumor, dificultando o suprimento de nutrientes e oxigênio às células cancerosas.

 

Claro que ele não costuma ser usado sozinho, mas sim colabora com outras terapias que fazem parte do plano de tratamento oncológico elaborado pelo médico. Assim, ele pode ser introduzido ou antes ou depois de uma cirurgia, e combinado com quimioterapia e radioterapia.

 

Outro aspecto importante do tamoxifeno é seu papel na prevenção do câncer de mama em mulheres com alto risco. Estudos mostraram que o tamoxifeno pode reduzir significativamente o risco de desenvolver câncer de mama em mulheres com alto risco, como aquelas com histórico familiar da doença ou com mutações genéticas predisponentes, como a mutação no gene BRCA1 ou BRCA2. 

 

O tamoxifeno é uma opção importante para essas mulheres, pois melhora a qualidade de vida. Como qualquer tratamento oncológico, ele é feito em ciclos e pode durar cerca de 5 anos, podendo se estender para 7 a 10 anos quando há maiores chances de recidivas.

 

Eu mesma fiz uso desse medicamento por 5 anos em meu tratamento hormonioterápico. Seguindo à risca o plano de tratamento e cuidado dos meus hábitos diários consegui superar o câncer em 2020.

 

Por isso, é importante tomar a medicação na quantidade prescrita pelo médico (muitas vezes indicado uma vez por dia), não misturá-lo com remédios anticoagulantes (fique atento a bula), cortar inibidores de CYP2D6 e tomar cuidado com alguns antidepressivos inibidores de  recaptação de serotonina como a paroxetina e a fluoxetina.

 

Essas drogas, retardam e diminuem o sucesso do tratamento com tamoxifeno e por isso vale a pena tirar qualquer dúvida com o seu oncologista.

 

Quais são os efeitos colaterais?

Como qualquer medicamento, o tamoxifeno pode causar efeitos colaterais e é importante estar ciente deles antes de iniciar o tratamento. Alguns dos mais comuns incluem ondas de calor, alterações no ciclo menstrual, secura vaginal, mudanças de humor, náuseas e ganho de peso.

 

Além dos efeitos colaterais mencionados, o tamoxifeno também pode aumentar o risco de coágulos sanguíneos, especialmente em mulheres com fatores de risco adicionais, como tabagismo, obesidade ou histórico de coágulos sanguíneos.

 

Também pode aumentar o risco de desenvolver câncer de útero em algumas mulheres, embora esse risco seja baixo. O tamoxifeno pode afetar a densidade óssea, aumentando o risco de osteoporose em algumas mulheres. 

 

Analisando tudo isso, é recomendável que as mulheres que estão em tratamento com tamoxifeno realizem exames regulares para monitorar a saúde óssea e adotem medidas como a ingestão adequada de cálcio, vitamina D e a prática regular de exercícios físicos.

 

Embora o tamoxifeno possa ter efeitos adversos, é importante lembrar que muitas mulheres o toleram bem e que os benefícios do tratamento geralmente superam os riscos. 

 

Eu posso dizer por mim mesma: tive pouquíssimos efeitos colaterais e bem leves por conta do meu estilo de vida.

 

Na verdade, quando o tratamento com o medicamento é interrompido a possibilidade do avanço do câncer é aumentada, correndo ainda o risco de desenvolver câncer de mama contralateral (na outra mama)

 

Segundo uma pesquisa realizada por 7.500 mulheres, quanto mais tempo o tratamento era realizado, menor a chance do câncer se desenvolver na mama oposta. O artigo foi publicado no jornal científico Jama Oncology.

 

Na média, pacientes que tomaram tamoxifeno durante quatro anos tiveram risco reduzido em 66%.

 

Existem estratégias para gerenciar esses efeitos e garantir o melhor resultado possível do tratamento. Cuide ao máximo da sua saúde adotando hábitos anticâncer como alimentação equilibrada, exercícios adaptados e tendo uma boa relação com seu médico.

gif-man-trying-to-make-girl-eat-her-food
Vamos, faz um esforcinho… | Gif: Giphy.com

Quem pode realizar a prevenção com esse medicamento?

O tratamento com o tamoxifeno preventivo é frequentemente recomendado para mulheres com alto risco de desenvolver câncer de mama com mutações específicas como no gene BRCA1 ou BRCA2 e para mulheres que já tiveram câncer de mama para reduzir o risco de recorrência.

 

No entanto, nem todas as mulheres são candidatas adequadas ao uso de tamoxifeno. O médico irá avaliar o perfil de risco de cada paciente e discutir os benefícios e riscos do tratamento antes de recomendar o medicamento.

 

É importante ressaltar aqui que o tamoxifeno NÃO é recomendado para mulheres grávidas, pois pode causar danos ao feto. 

 

Mulheres que estão amamentando também devem evitar o uso de tamoxifeno, pois o medicamento pode ser excretado no leite materno e prejudicar o bebê. Para aquelas que são candidatas adequadas ao uso de tamoxifeno, é essencial seguir as orientações e realizar exames regulares para monitorar os efeitos do medicamento. 

 

Se você tem dúvidas sobre o tamoxifeno ou está considerando seu uso, consulte seu médico. Ele poderá fornecer informações personalizadas com base em seu histórico médico e ajudá-la a tomar a melhor decisão para sua saúde. Lembre-se, a prevenção é fundamental, e cuidar da sua saúde é uma forma de se proteger contra o câncer de mama. 

Continue no blog e descubra mais dicas e informações sobre câncer de mama e tamoxifeno. Se ame, se cuide. Um abraço!

2 Comentários


  1. Amei todas essas informações sob o tamoxifemo
    Muito bom
    Obrigada Paty

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *