Acompanhamento depois do tratamento de Câncer:O que você precisa saber!

 Há uma coisa muito séria que você precisa saber sobre o acompanhamento depois do tratamento de Câncer…

Mesmo quando o tratamento  termina, o cuidado não acaba. E os check-ups fazem parte da rotina de todo paciente oncológico.

Estou falando isso para justificar o meu sumiço aqui no Blog.  Estava fazendo meus check-ups que agora acontecem duas vezes ao ano.

Enfim,  parte mais pesada do meu tratamento terminou em 2015. Mas depois do tratamento de câncer, além do Tamoxifeno que terei que tomar por 10 anos, as nossas visitas aos médicos e exames não param.

Depois do tratamento em si é preciso manter ainda um acompanhamento de sua saúde nos seguintes meses e anos.

Esse acompanhamento serve para avaliar as possibilidades de que pequenas células cancerígenas tenham permanecido em seu corpo.  E, se for o caso, fazer um novo diagnóstico precocemente,  minimizar e controlar os efeitos colaterais do tratamento.

E também para monitorar a sua saúde mesmo, como um todo.

Quando publico nas minhas redes sociais que está na fase dos meus check-ups, muitas pessoas me perguntam que exames faço ou deixo de fazer…

E como sempre brinco,  Tratamento de câncer é igual a c* … Cada um tem o seu!  Haha!

E com o acompanhamento após o tratamento de Câncer é a mesma coisa: Todas as pessoas que enfrentaram o câncer precisam desse tipo de acompanhamento.

No entanto, ele é personalizado, feito sob medida pela equipe médica, exatamente desenhado para você e seu caso.

Porém, a maioria deles tem pontos comuns, como es exames de sangue e outros detalhes dos quais falaremos neste artigo.

Vamos lá?

Depois do tratamento de câncer: Exames e tudo o que você quer saber

O check-up depois do tratamento de Câncer: como é?

Bom, para começar, todo mundo tem que voltar no médico com certa regularidade. Essa aí é fácil de entender, né? Afinal, é ele o ponto central da equipe médica, não tem como escapar.

A frequência das consultas vai variar de acordo com o tipo de câncer que você teve, o tratamento que recebeu, o que aconteceu durante o mesmo e também com a sua saúde de modo geral.

 Mas, no geral, durante os 2 primeiros anos após o tratamento é indicado que você se consulte com o médico a cada 3 ou 4 meses. Depois disso, uma ou duas vezes ao ano.

Os exames de sangue

Os exames de sangue são comuns para todo mundo que está em acompanhamento pós-câncer e costumam ser pedidos com certa frequência.

 Eles têm a função de verificar não só sua saúde de forma geral, mas também a presença de agentes que indiquem um possível retorno do câncer.

São exames simples, de amostragem: Você vai até o laboratório com o pedido médico, eles retirarão a amostra de sangue e você aguardará os resultados. Como em qualquer outro exame de sangue, aliás.

Somente seu médico mesmo para te dizer que exames serão necessários para você. Não tem jeito: Em cada caso são necessários diferentes exames de sangue (e também outros exames!) diferentes.

A biomédica Marcela Lemos explica, neste artigo, que há alguns exames mais detalhados e comumente solicitados pelo médico com o fim não só de detectar, mas também de avaliar a resposta ao tratamento do câncer e monitorar sua saúde depois dele.

São eles:

AFP

O exame de dosagem da proteína AFP é solicitada em casos de câncer de estômago, intestino, ovários e metástase no fígado.

Ele é solicitado com certa frequência após o tratamento, pois uma alteração nessa proteína pode indicar reincidência.

Mas é um “pode”, certo? Sem desespero precoce, por favor.

MCA

A dosagem de MCA é pedida quando se trata de câncer de mama, sobretudo. E junto com este os médicos costumam pedir também exames de dosagem CA 27.29 ou CA 15.3, que são essenciais para analisar a chance de reincidência e fazer o monitoramento da doença.

 Eles também são pedidos quando se fala em outros tipos de câncer, como por exemplo o câncer de pulmão, de ovário e o colorretal.

Vida pós câncer: Exames e tudo o que você quer saber!

BTA

O BTA é pedido em conjunto com os exames NMP22 e CEA, em casos de câncer de bexiga. Ele também pode servir para acusar uma inflamação de rins ou de uretra, quando o paciente utilizou sonda vesical – aquele cateter que se coloca no canal urinário para coletar a urina.

CA 125

A dosagem de CA 125 é um exame solicitado quando se trata de um câncer de ovários. Mas não só para esse caso, não: outras doenças também são detectadas e monitoradas através dele, tais como a endometriose, cistos no ovário e outros.

Calcitonina

O exame de dosagem da calcitonina será solicitado quando se tratar de um carcinoma medular da tireoide. Muitas vezes será acompanhado por testes de infusão de cálcio ou de pentagastrina, que são substâncias conhecidas por estimular a produção de calcitonina e assim avaliar se os padrões de aumento da calcitonina estão normais.

Tireoglobulina

Este exame também está relacionado com o câncer de tireoide e costuma acompanhar o pedido do exame de calcitonina do qual acabo de falar, além do TSH, que mede as alterações dos hormônios T3 e T4, produzidos na glândula tireoide.

CEA

Esse é um exame solicitado em casos de câncer de pâncreas, de estômago, pulmão, fígado, tireoide, colorretal e até outros.

No entanto, ele é considerado de baixa especificidade, ou seja, não é um exame que, feito sozinho, seja capaz de dar base para qualquer diagnóstico.

Por isso, o médico o solicitará juntamente com outros exames que sejam aplicáveis a seu caso.

Depois do tratamento de câncer: Exames e tudo o que você quer saber!

Outros exames

De novo, a premissa é a mesma: cada tipo de câncer pedirá exames também distintos, e só um médico para dizer exatamente qual exame e quando fazê-lo. Há muitas variáveis envolvidas aí!

Para você ter uma ideia, as mulheres que finalizaram o tratamento contra o câncer de mama costumam ter os seguintes exames em seu plano de acompanhamento:

Mamografia

A mamografia é um raio X da mama e toda mulher já fez ou fará este exame. Ele é capaz de detectar calcificações, massas e nódulos no seio, e é feito duas vezes ao ano, em média, a partir de 6 meses depois que o tratamento foi finalizado.

O aparelho de raio X vai comprimir a mama para obter a imagem, o que é um pouco desconfortável, mas bastante rápido. Em poucos minutos está acabado.

Exames ginecológicos

Esses você também já conhece. Eles são necessários porque é preciso controlar o que aconteceu e está acontecendo com seu aparelho reprodutor após o tratamento. A frequência desses exames costuma ser de uma vez ao ano. Mas, como sempre, seu médico é quem vai te aconselhar sobre isso.

checkup pós tratamento - desintometria óssea

Densidade óssea

Em alguns casos, o exame de densidade óssea é necessário. De maneira ampla, em tratamentos de Hormonoterapia com o Tamoxifeno, ou com inibidores de aromatase como o anastrozol, letrozol e examestano, esse exame será necessário.

Ele monitora a perda óssea que pode ocorrer como consequência do tratamento. Também é um exame costuma ser pedido uma vez por ano.

Eu normalmente faço a desintometria ou cintilografia óssea.

Esses exames são só alguns exemplos, que se aplicam ao caso do câncer de mama em concreto. Vou dizer de novo: Cada caso é um caso, e só seu médico para definir como será seu plano de acompanhamento pós tratamento.

O controle dos efeitos colaterais tardios

Nem sempre os efeitos colaterais do tratamento cessam ao fim dele. Há casos de efeitos colaterais que duram mais e até mesmo surgem depois do tratamento. Por isso, ainda há uma série de controles e exames que é possível que sejam pedidos a você.

Teste de função pulmonar

Quem passou por transplante de medula ou se tratou com bleomicina poderão ter que fazer este exame também, pois a diminuição da capacidade pulmonar pode ser um efeito colateral decorrente.

O teste de função pulmonar demonstra a capacidade de ar que seu pulmão é capaz reter e também a velocidade com que seu pulmão se enche e esvazia de ar.

Exames anuais de tireoide

Quem recebeu radioterapia da garganta para cima pode precisar deste exame também. O médico vai definir qual é o mais indicado, mas costuma ser a ultrassonografia.

Eletrocardiograma

As pessoas que receberam radioterapia na região do tórax ou que foram tratadas com uma classe de medicamento conhecida como antraciclina provavelmente devam fazer um eletro de vez em quando.

Esses tratamentos podem afetar o funcionamento do coração a longo prazo, então o médico vai querer saber como está batendo o seu.

Check up após  tratamento de câncer: tomografia

Tomografia

A tomografia também pode ser pedida, de quando em quando. E não se trata só de um exame para ver se houve algum efeito colateral tardio, mas também para observar uma possível reincidência. É bastante comum que seja solicitado por seu médico.

Acompanhamento depois do tratamento de Câncer:

Converse com seu médico

Repeti várias vezes  que o médico é quem sabe ao certo o que será necessário em seu pós- tratamento. É a mais pura verdade!

Mas nem só de exames se faz o acompanhamento posterior ao tratamento de câncer. É preciso que você observe a si mesma, entenda seu corpo, escute as mensagens que ele está te passando  e seja capaz de transmitir as informações para seu médico.

Segundo a Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos  você precisa se comunicar efetivamente com seu médico para que o acompanhamento tenha sucesso.

Eles sugerem, inclusive, que você tenha um diário, onde anote possíveis alterações em sua vida diária e, através de uma análise de seu diário filtre o que é pontual do que é reincidente para passar para o médico.

Acompanhamento depois do tratamento de Câncer: Mantendo seu diário

Esse não é um diário comum, onde você vai escrever seus pensamentos. É um diário para otimizar sua consulta, e só para isso.

Você vai anotar diariamente:

  • Se sentiu-se fatigada, cansada, abatida
  • Se teve problemas para urinar ou evacuar
  • Se teve problemas de concentração e memória
  • Se sentiu dificuldade para dormir, ou sono além do normal
  • Se sentiu (ou não) desejo sexual
  • Se se sentiu ansiosa ou depressiva
  • Se teve dores de qualquer tipo
  • Qualquer outro sintoma ou alteração que acontecer. Tanto emocional quanto física!

Então, um ou dois dias antes de sua consulta médica, você deve avaliar essas informações e fazer um relatório simples sobre elas.

Por exemplo: Se constatar que teve dificuldade para dormir um dia em 30, isso não é importante. Isso é muito normal, até.

 Mas se teve insônia 20 dias de 30, é uma alteração importante, que deve ser comunicada ao médico.

Anote essa informação em seu relatório nesse mesmo formato: Tive insônia 20 dias de 30, e informe-o. Use seu bom senso para filtrar as informações, mas, se ficar na dúvida se é ou não importante, comunique o médico!

Seu diário vai te ajudar não só a manter um olhar racional sobre as alterações que podem ocorrer após o tratamento, mas também a ser certeira nas informações que passará a seu médico.

Não tenha medo de levar seu diário com você às consultas, sempre que não espere que o médico vá, ele mesmo, analisar suas anotações: É você quem deve preparar seu relatório antes de ir, certo?

Depois do tratamento de câncer: Exames e tudo o que você quer saber!

Acompanhamento depois do tratamento de Câncer: Outras informações que o médico precisa saber

É importante que as consultas sejam momentos onde você mencione tudo o que lhe preocupar. Tudo mesmo.

É muito normal sentir medo de qualquer dor que surja, de qualquer alteração que apareça. E seu médico vai poder tranquiliza-la a esse respeito. Confie nele!

Também é preciso que você o informe do seguinte:

  • Alterações no histórico médico de seus familiares (doenças que foram detectadas)
  • Medicamentos novos, vitaminas, ervas e suplementes que você começou ou pretende começar a tomar
  • Mudanças na dieta, como regimes, por exemplo, que está querendo fazer.
  • Gravidez ou planos dela.

Essas informações devem ser compartilhadas mesmo, tá?

Até um chazinho “milagroso” que você pretende consumir diariamente pode fazer a diferença e precisa ser conversado com o médico.

Depois do tratamento de Câncer: Encare o diagnóstico como o presente que foi

Agora que você já sabe como funciona o acompanhamento que vem após o tratamento do câncer, quero compartilhar um pouquinho mais. Quem sabe a informação mais importante de todo este artigo!

O câncer em um primeiro momento é algo assustador. Mas ele também pode ser um presente transformador, que faz com que você olhe para si própria, avalie como  tem se cuidado  e  vivido.  

E, com entusiasmo, trate de reformular seu eu e de renascer para uma nova vida!

O processo de acompanhamento pós câncer não deve se restringir somente aos cuidados médicos, sabe? Tem muito mais por trás disso…

Algumas pessoas (bem espertas, diga-se de passagem) procuram maneiras de reduzir as chances de uma reincidência.

E adotam mudanças duradouras para tornar sua vida mais saudável, mesmo.

 Alguns passam a cuidar mais da alimentação, deixam de ser sedentários, buscam alternativas para reduzir o estresse, diminuem a exposição a produtos químicos nocivos… Enfim, há muitas mudanças possíveis de aplicar.

Eu, por exemplo, fiz muitas mudanças  radicais em meu ritmo e objetivos de vida. Assim como hábitos e padrões de pensamento . E já contei para você sobre algumas delas aqui,  quando compartilhei a Minha história.

Não só isso: também modifiquei totalmente a minha alimentação após o câncer.

 De fato, aqui no blog você pode encontrar  diversas receitas da minha alimentação anticâncer, como essa aqui : Receita de Lasanha Natureba.

Enfim, faça mudanças que tenham sentido para você.

Converse com seu médico, tire todas as suas vidas, acompanhe este blog, estude, aprenda,  e faça escolhas positivas!

Há todo um mundo novo esperando por você após o fim de seu tratamento.

Tem muita vida depois do Câncer…

Até a próxima!

 

Baixe GRATUITAMENTE o meu livro digital, CLICANDO AQUI.

Câncer: 10 Mitos detonados!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *