Câncer de ovário: Causas e Sintomas

Entenda tudo sobre o câncer de ovário: o que é, sintomas, causas, tratamentos e ainda como se prevenir…

Se você teve a curiosidade de conhecer um pouquinho da minha história já sabe que meu diagnóstico foi Câncer de Mama infiltrante grau 3.

Portanto, desde a criação do meu Blog, lá em 2014, eu tenho escrito bastante sobre o Câncer de Mama e seus subtipos.

No entanto, há algum tempo meus seguidores, alunos e coachees têm me pedido para falar sobre outros tipos de Câncer.

Depois do artigo sobre  o Linfoma, com todas as informações do que é e quais os sintomas, já é  tempo de  escrever um novo artigo sobre os tipos de câncer.

Hoje, falarei sobre  Câncer de Ovário.

Fiz uma pesquisa minuciosa e vou passar tudo o que você precisa saber sobre a doença: O que é o Câncer de ovário, fatores de risco, sintomas, tratamentos e como evitar.

Vamos ao artigo de hoje?

Fique ligada!

Entenda mais sobre o câncer de ovário

O câncer de ovário corresponde ao segundo tipo de câncer ginecológico mais comum, perdendo apenas para o câncer de colo de útero.

Em comparação com o câncer de mama, o câncer de ovário é menos comum e em geral, por ser uma doença ainda mais silenciosa, na maioria das vezes, só consegue ser diagnosticado em condições avançadas.

Daí, a importância da prevenção e detecção precoce.

Já vou falar disso…

Mas primeiro, deixa eu explicar um pouco mais sobre o que é o câncer de ovário.

Então, o câncer de ovário se caracteriza pelo tipo de câncer que afeta os ovários, dãaaaaa!

Sei que é óbvio, mas esse tipo de câncer pode se originar de células epiteliais (que revestem o órgão), células estromais (que liberam hormônios) ou nas células germinativas (que formam os óvulos).

Dentre os três tipos, o mais comum é originado das células epiteliais.

Nesse caso, o câncer de ovário se apresenta como um crescimento anormal na parte externa superficial do ovário.

O câncer de ovário de origem estromal, de modo geral, pode apresentar uma desregulação na produção e secreção de hormônios femininos.

 Por isso, os sintomas são mais aparentes e por isso é possível detectá-lo nos estágios iniciais (estágio I ou II) com maior facilidade.

Já o câncer com origem germinativa afeta uma pequena porcentagem de mulheres, em sua maioria, jovens, tornando o tipo mais raro e sem uma causa definida ( ainda).

O câncer de ovário pode ser considerado um tipo menos frequente  e que ataca silenciosamente.

Infelizmente, na maioria das vezes quando os sintomas começam a aparecer, o câncer, na maioria dos casos, se encontra em estágio avançado (estágio III ou IV).

Existem 4 estágios do câncer ovariano:

Para você entender um pouco mais…

 No Estágio I o câncer atinge apenas o ovário, sendo apenas um ou ambos.

 Já o estágio II além dos ovários atinge outros locais próximo a pelve, como as trompas de falópio.

No Estágio III, já considerado um estágio avançado, o câncer originado no ovário se espalha por outras áreas do abdômen como bexiga ou intestino.

Já no Estágio IV, o câncer sofre metástase e afeta outros órgãos fora do abdômen como pulmão ou fígado.

Fatores de risco 

De modo geral, o câncer de ovário é propenso a atingir mulheres com mais de 40 anos, mulheres que já entraram em fase de menopausa principalmente.

Porém, como falei antes, o câncer de ovário também é capaz de atingir mulheres jovens, principalmente de o câncer de origem germinativa.

No Brasil, segundo o Inca ( instituto nacional do Câncer) foram diagnosticados 6.150 novos casos de câncer de ovário no ano passado.

Enquanto que, no mundo todo é possível diagnosticar 250 mil novos casos por ano.

É importante saber que, o câncer ovariano pode apresentar um potente fator familiar, por isso, mulheres com histórico da doença na família precisam de uma atenção redobrada.

Além disso, no âmbito genético, mulheres que apresentam mutações nos genes BRCA 1 e BRCA2 também possuem mais chances de desenvolver o câncer de ovário e até mesmo o câncer de mama.

Além dos fatores relacionados à genética, existem outras atividades relacionadas à doença como:

 O tabagismo, a obesidade, uso contínuo de um DIU (dispositivo intrauterino), uso de hormônio no tratamento da menopausa e tratamentos para fertilidade.

Um início precoce do ciclo menstrual, em menores de 12 anos de idade, o desenvolvimento de uma menopausa tardia após os 50 anos e síndrome dos ovários policísticos também podem ser relacionados com o câncer de ovário.

Por isso que o câncer de ovário se relaciona com os níveis hormonais visto que uma menstruação precoce, e uma menopausa tardia são fatores de risco.

Seguindo a linha hormonal, mulheres sem filhos gerados do seu corpo ou que não passaram pelo processo de amamentação e ainda aquelas que, passaram por um câncer de mama são mais propensas ao desenvolvimento desse tipo de câncer.

Sintomas do Câncer de Ovário

Os sintomas do câncer de ovário não são fáceis de serem detectados.

 Já que, os mesmos, demoram para realmente aparecer.

E ainda por cima, se correlacionam com uma infinidade de doenças mais leves.

Como o câncer de ovário não apresenta um sintoma característico, é ainda mais importante os exames de rotina e até mesmo procurar um médico caso sinta alguns dos sintomas usuais que vou apresentar.

Pode até parecer que está indo à consulta por pouca coisa e o máximo que vai acontecer é você rir de si mesma por se achar meio paranoica.

Mas, prevenir é melhor que remediar, mulherada!

Voltando aos sintomas, os mais comuns são:

  • Dor na região da pelve ou do abdômen
  • Intestino constipado
  • Desenvolvimento de uma massa anormal no abdômen
  • Volume maior abdominal, inchaço incessante
  • Maior frequência de urinar
  • Problemas ao se alimentar com uma sensação de estar cheia muito rápido
  • Pouco apetite
  • Sensações de cansaço frequente
  • Náuseas
  • Dores durante o sexo
  • Indigestão
  • Alterações no ciclo menstrual

Como você pode perceber, esses sintomas são muito comuns e nada específicos, por isso, é tão importante a gente conhecer o nosso corpo.

E caso presencie algum ou muitos deles com certa constância é preciso procurar um médico.

Durante a consulta lembre-se de levar as informações sobre a frequência e a intensidades dos sintomas.

Em geral, a presença desses sintomas deve ser contínua, em torno de duas ou três semanas para então poder ser ou não um indicativo de tumor.

Diagnosticando o Câncer de Ovário

Para o diagnóstico do câncer de ovário, o mesmo pode ser realizado através de um médico ginecologista ou um médico oncologista.

Sendo necessário alguns exames para complementação do diagnóstico, através de exames com imagens como a ultrassonografia ou a tomografia.

Ainda, pode ser pedido um exame de sangue com enfoque na quantificação da proteína CA125.

Essa proteína é um medidor de marcador de tumores com implicações sanguíneas. Desse modo, mulheres que apresentam câncer de ovário possuem um valor dessa proteína mais alto.

Logo, em conjunto com uma ultrassonografia é possível a determinação do diagnóstico.

Para tirar algumas dúvidas, o exame ginecológico, Papanicolau, não é eficiente na detecção do câncer de ovário, contudo, é através dele que é possível diagnosticar o câncer de colo de útero.

Como o mais comum tipo de câncer de origem ginecológica, o câncer de colo de útero também precisa ser levado em conta.

Por isso, a realização do Papanicolau na consulta ginecológica frequente também é muito importante.

Vou falar mais sobre ele futuramente, combinado?

Apesar de raros, tumores benignos no ovário podem ser detectados com os exames que citamos acima.

Agora fique ligada que, para fazer um diagnóstico completo do câncer de ovário, bem como compreender sua origem e estágio é preciso realizar uma biópsia do tecido tumoral.

Tratamentos para o Câncer de Ovário

O tratamento mais eficaz para o câncer de ovário é a sua remoção. Por isso, a cirurgia é uma necessidade.

Dependente das condições e estágio do câncer, na maioria das vezes, a quimioterapia também é incluída no tratamento.

Assim, com exceção dos tumores descobertos na fase inicial da doença, o que acontece com menor frequência, o tratamento consiste na cirurgia em conjunto com a quimioterapia.

O tratamento, ainda, pode ser feito com enfoque na manutenção da fertilidade em alguns casos para as mulheres mais jovens e que pretendem gerar filhos em um futuro próximo.

Em relação ao tratamento cirúrgico existem três tipos de cirurgia para o câncer de ovário.

Primeiramente, é possível retirar o útero e o colo do útero através de uma histerectomia completa.

Ou ainda, remover um ovário e a trompa de Falópio adjacente, assim, essa cirurgia  se chama Salpingo-ooferectomia unilateral.

É esse palavrão mesmo!

Em caso de necessidade de remover ambos os ovários e as trompas, a mulher deve se submeter a um salpingo-ooferectomia bilateral.

A remoção do útero, através da histerectomia depende de cada caso. Contudo, estudos já comprovaram que mulheres que passaram por uma histerectomia apresentam menor chance de desenvolver um câncer de ovário.

Para o tratamento com quimioterapia, o mesmo pode ser realizado antes ou após o tratamento cirúrgico dependendo da finalidade do mesmo.

O tempo de duração e o método de ingestão dos medicamentos fitoterápicos podem ser variáveis a depender do estágio do câncer.

Assim, é possível o uso de medicamentos orais, intravenosos ou ainda o uso de uma quimioterapia intraperitoneal para o tratamento do câncer de ovário.

Para esse tipo de câncer, o tratamento por radioterapia é pouco utilizado. Em estágios mais avançados o tratamento pode ser realizado inicialmente dependendo da recomendação médica.

Lembre-se que o tratamento do câncer de ovário pode proteger a capacidade fértil da mulher, se for o seu desejo.

 Converse com o seu médico da possibilidade.

Contudo, após o tratamento pode ocorrer algumas mudanças na vida sexual proveniente dos efeitos do tratamento como já expliquei em um outro post: 

Suas dúvidas respondidas sobre a sexualidade durante e após o Câncer

Prevenindo o Câncer de Ovário

O câncer de ovário está entre os tipos de câncer que ainda precisam de um maior número de estudos para ser possível descobrir a causa que desencadeia a doença.

Por isso, não existe um método preventivo propriamente dito contra o câncer ovariano.

Existem alguns estudos que indicaram fatores que podem diminuir a taxa de incidência do câncer como uma gravidez e amamentação.

E ainda, o uso de pílulas anticoncepcionais, contudo, as mesmas podem ser relacionadas com outros tipos de câncer como o de mama.

Logo, a melhor maneira de prevenir o câncer de ovário é adotar um estilo de vida saudável.

Sério?!

Eu sei, é muito redundante e senso comum, mas é o que temos pra hoje!

Se atentar aos fatores de risco como o cigarro e a obesidade, pode ajudar na prevenção.

Por isso, realizar atividades físicas frequentes, evitar alimentos ricos em corantes, combater o desenvolvimento da obesidade e consumir pouco álcool são pequenas coisas que podem ajudar na prevenção não só do câncer de ovários, mas todo o tipo de câncer.

E nem só prevenção do câncer em geral, mas de diversos outros tipos de doenças.

Para aquelas que apresentam um histórico familiar de câncer de ovário procurar um médico e requisitar um teste genético pode ser uma boa ideia.

 Assim, caso exista uma mutação nos genes relacionados ao câncer o médico pode apresentar medidas preventivas mais acertadas para reduzir a incidência de câncer de ovário e de câncer de mama.

Além disso, o ponto mais importante na prevenção do câncer de ovário se dá pela visita regular ao ginecologista.

Principalmente para as mulheres que já desenvolveram menopausa.

Marque sua consulta anual. E caso sinta alguns dos sintomas que listamos, mesmo que se manifeste e você ache bem usual, faça uma visita extra. Afinal, um cuidado a mais não faz mal.

 Dormindo com o inimigo

O câncer de ovário está entre os tipos de câncer que mais afetam as mulheres no âmbito ginecológico.

Sua presença é silenciosa e muitas vezes o diagnóstico é realizado em casos mais avançados.

 E por isso, a taxa de cura desse tipo de câncer é mais baixa.

A regularização da ida ao ginecologista pode ser capaz de detectar o câncer nos estágios iniciais.

Então, se você não está em dia com a consulta ao seu ginecologista, faça o quantos antes!

Apesar de atingir, principalmente, mulheres após os 40 anos, o câncer não tem idade para se manifestar.

Por isso, um cuidado frequente da sua saúde é o melhor método de prevenção. Procure um médico para acompanhamento regular.

E não tenha medo da ida no médico devido à presença de sintomas usuais, como aqueles apresentados pelo câncer de ovário.

Tem gente que fica anos sem ir ao ginecologista com o pensamento tosco de que: “Quem procura acha…”

Mas eu te afirmo que somente quem acha, se cura!

Procure também uma segunda opinião caso não se sinta confortável com o diagnóstico dado pelo médico que você escolheu, pois em muitos casos os sintomas passam como um problema estomacal ou gastrointestinal

Cuide de você!

Eu vou finalizar esse Artigo com um vídeo que publiquei no meu canal há algum tempo respondendo uma pergunta que me fazem muito: 

Paty, como fica o sexo depois da retirada do útero e ovário?

Eu respondi em vídeo : )

E então, o que você achou desse artigo sobre câncer de ovário?

Ainda tem alguma dúvida sobre esse tema?

Como você sabe, existem muitos tipos de câncer diferentes.

 Por isso, qual câncer você deseja que eu aborde no próximo artigo?

Indique nos comentários qual o tipo de câncer que devo escrever aqui no Blog.

Fontes de pesquisa:

https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-ovario

https://link.springer.com/article/10.1007/s00109-005-0696-7

6 Comentários


  1. Minha filha de 24 anos foi diagnosticada com OSTEOSARCOMA depois de ter gerado sua bebê q hj tem 8 meses.Ela já está em tratamento químioterapico. Gostaria de saber mais sobre câncer ósseo. Parabéns pela iniciativa de ajudar outras pessoas!Deus te abençoe!


  2. Gostei desse tema, tive câncer de mama e gostaria de saber sobre câncer dos ossos.


  3. Gostei muito sobre o que vc abordou o câncer de ovário este eu fiz cirurgia depois fiz quimioterapia e agora estou só no acompanhamento tive câncer de ovário grau ll gostei muito tirei minhas dúvidas muito bom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *