Quimioterapia: tudo que você precisa saber

Fazer tratamento com quimioterapia faz parte da vida de muitos pacientes oncológicos, mas não é apenas para o tratamento do câncer que a quimioterapia é indicada.

A quimioterapia consiste em um tratamento que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor. Estes remédios se misturam com o sangue e passam a ser levados a todas as partes do nosso organismo, destruindo as células doentes e impedindo, ainda, que elas se espalhem pelo corpo.

O tratamento completo varia de acordo com a origem do problema de cada um e só terá fim quando o seu médico acreditar que a quimioterapia pode ser suspensa. Em alguns casos, a duração do tratamento é planejada pelo oncologista, mas precisa ser suspensa por causa de um mal-estar ou disfunção do corpo ao receber o tratamento.

A seguir, entenda mais sobre a quimioterapia e como ela atua dentro do nosso corpo.

quimioterapia
Efeitos da quimioterapia. | Foto: Freepik.

O que é quimioterapia?

A quimioterapia é um tratamento que consiste na aplicação de medicamentos para combater as células que formam os tumores e possui o objetivo de destruir todas ou, pelo menos a maior parte, das células cancerosas. 

Como o tratamento consegue atuar em diversas etapas do metabolismo celular, os alcances feitos nas células malignas podem chegar a qualquer parte do nosso organismo.

A decisão de aplicar ou não a quimioterapia vai ser definida pelo médico oncologista e pode ser realizada durante a internação ou até em um ambulatório ou clinica. 

O tratamento quimioterápico pode contar com a utilização de um único medicamento ou com a combinação de vários remédios juntos, fazendo uma mistura de drogas e das doses. Ele, normalmente, é realizado por via intravenosa, mas pode ser oral, através de comprimidos ou cápsulas. Além disso, praticamente todos os cânceres se beneficiam da quimioterapia.

Como funciona?

A quimioterapia pode ser aplicada de diversas formas diferentes, o que vai modificar um pouco a maneira com a qual ela vai funcionar na prática. 

Veja, abaixo, os exemplos associados às formas de quimio. Os medicamentos geralmente são aplicados da seguinte maneira:

  • Via oral –   aqui, o tratamento pode ser feito através de comprimido, cápsula ou líquido e o paciente pode tomar a quimioterapia na sua própria casa;
  • Intravenosa – os medicamentos passam a ser aplicados na veia ou por meio de cateter específico para a quimioterapia, no formato de injeções ou, até mesmo, dentro do soro;
  • Intramuscular –  esse tipo de tratamento é realizado com a aplicação da medicação por meio de injeções no músculo;
  • Subcutânea – essa aplicação da quimio é feita com uma injeção no tecido gorduroso bem acima do músculo, ou seja, abaixo da pele;
  • Intratecal – embora pouco comum, ela é aplicada no líquido da espinha e precisa ser administrada pelo médico em uma sala própria do centro cirúrgico.

Tirando a primeira forma de quimioterapia, ou seja, a oral, todas as outras precisarão ser realizadas em ciclos, com um período de tratamento, seguido por um período de descanso. 

Essa ação vai permitir ao corpo um momento de recuperação e preparação para a próxima rodada. No caso das três últimas, o paciente também precisará ir até o hospital para continuar recebendo o tratamento. Dependendo do caso, ele pode até ficar hospitalizado durante todo o período da quimio.

Quais são os tipos de quimioterapia?

A quimioterapia pode ser classificada em: curativa, adjuvante, neoadjuvante, prévia e paliativa. Na quimioterapia adjuvante, o foco principal é destruir possíveis células que ficaram após o algum tratamento cirúrgico. 

A quimioterapia neoadjuvante tem como objetivo principal diminuir o tumor antes da realização da radioterapia ou de uma cirurgia. No caso da quimio paliativa ou prévia, a função principal é melhorar a qualidade de vida do paciente, diminuindo os sintomas, uma vez que é feita quando, segundo a medicina convencional,  a doença não representa mais chances de cura. Ela ainda pode ser de diversas cores.

Diferença entre  a quimio branca e vermelha

A quimioterapia vermelha é indicada em casos de câncer, como câncer de mama, de estômago, de bexiga, de ovário, sarcomas, carcinoma timico, leucemias e linfomas.

Os efeitos colaterais mais comuns da quimioterapia vermelha são:  a queda de cabelo (alopecia), náuseas e vômitos, aftas e inflamação na região da boca, diminuição de glóbulos vermelhos no sangue, diminuição de glóbulos brancos e diminuição de plaquetas, além do ressecamento da pele.

Como os tratamentos com a quimioterapia afetam todas as células do corpo, e não apenas as cancerígenas, diversas são as reações que podem ser causadas pelo uso do medicamento. Assim, em razão desses problemas causados às células saudáveis, a quimioterapia não vai poder ser aplicada em intervalos de tempo muito curtos, como já vimos acima. 

A quimioterapia branca ou vermelha são termos utilizados pelos pacientes oncológicos. Mas existem quimioterapias de várias cores: amarela, laranja, etc.

Agora você já sabe qual a diferença entre quimioterapia vermelha e branca.

Quais são os efeitos da quimioterapia?

O tratamento muda de paciente para paciente e, também, de acordo com o câncer ou doença apresentada. Dependendo do medicamento utilizado, o paciente pode ou não apresentar efeitos colaterais e entre os principais deles estão: dor no corpo, fraqueza e tontura, feridas na boca, enjoo e vômito, queda de cabelo, perda de apetite, perda ou ganho de peso, anemia, diarreia ou constipação e alterações na pele e na unha. 

Os sintomas podem variar de organismo para organismo e do medicamento utilizado, não quer dizer que os sintomas acima vão acontecer com você.

Eu mesma, com mudanças nos meus hábitos de vida, tive pouquíssimos efeitos colaterais e muito brandos.

Quimioterapia faz cair o cabelo?

Isso depende, pois nem todas as quimioterapias fazem cair o cabelo.

A queda de cabelos é um dos efeitos colaterais que mais assustam os pacientes de câncer, no momento do tratamento com a quimioterapia. Tanto homens quanto mulheres sofrem com a agressividade da quimio, mas, não se preocupe, pois, como falei, nem todas as quimioterapias fazem cair o cabelo e, caso tenha alguma queda, o cabelo cresce após quimioterapia!

5 dicas para minimizar os efeitos colaterais

Confira:

  1. Organize sua rotina: Há casos de pessoas que gostam de comer antes das sessões e outras não. De qualquer modo, opte por escolher alimentos de fácil digestão e, após a quimioterapia, espere pelo menos 1 hora para ingerir alguma coisa;
  2. O paladar pode sofrer modificações durante o tratamento. Então, busque consumir alimentos que deixam gosto, como frutas e hortelã, além de temperar a comida com ervas aromáticas, visando o equilíbrio do paladar;
  3. Evite a ingestão de bebidas junto às refeições e aumente a quantidade de ingestão de líquidos durante o dia. Mas, atenção: bebidas fortes e ácidas, como café, devem ser evitadas;
  4. Evite fazer esforços que não facilitam a digestão e opte por descansar após as refeições;
  5. A sensação de boca seca também pode aparecer com a quimioterapia. Assim, beba muita água, pois você conseguirá eliminar a toxicidade da quimioterapia na urina.

A vida após a quimioterapia

Mesmo durante o processo de quimioterapia, a sua vida pode seguir normalmente. Os desconfortos, quando aparecem, só devem aparecer próximos às sessões da quimio, mas após elas é bem provável que você esteja curada ou, pelo menos, mais disposta e saudável. Portanto, pense que esse é um mal necessário. O preço que você precisa pagar para conseguir superar o câncer!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *